Search
Monday 10 August 2020
  • :
  • :

CNBB – Dia do Senhor – 5° Domingo da Quaresma

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB CELEBRAR EM FAMÍLIA O DIA DO SENHOR 5º DOMINGO DA QUARESMA – ANO A 29 MARÇO 2020

Estamos vivendo o Tempo litúrgico da Quaresma. É um forte tempo de oração, escuta da Palavra de Deus e práticas de caridade em vista da celebração da Páscoa do Senhor. Porém, este ano, estamos vivendo-o de forma bastante diferente por conta do combate à disseminação do COVID – 19. Acolhendo a orientação das autoridades civis e sanitárias, nossos bispos no Brasil orientam os fiéis a permanecerem em suas casas, evitando aglomeração de pessoas e, consequentemente, não participando das celebrações eucarísticas. Desta forma, somos convidados a CELEBRAR o Dia do Senhor como Igreja doméstica, com nossos familiares, em nossas casas. Cabe aqui recordar o que nos afirmam as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora na Igreja do Brasil, número 73: “A casa, enquanto espaço familiar, foi um dos lugares privilegiados para o encontro e o diálogo de Jesus e seus seguidores com diversas pessoas (Mc 1,29; 2,15; 3,20; 5,38; 7,24). Nas casas Ele curava e perdoava os pecados (Mc 2,1-12), partilhava a mesa com publicanos e pecadores (Mc 2,15ss; 14,3), refletia sobre assuntos importantes, como o jejum (Mc 2,18-22), orientava sobre o comportamento na comunidade (Mc 9,33ss; 10,10) e a importância de se ouvir a Palavra de Deus (Mt 13,17.43).” Assim, desejamos oferecer esta sugestão de Celebração da Palavra de Deus para ser celebrada em sua casa, com seus familiares neste triste momento da pandemia. São muitos os horários de transmissão de missas em nossos canais católicos que podemos acompanhar; mas, vivendo a dignidade de povo sacerdotal que nosso batismo nos conferiu, podemos não só acompanhar, mas celebrar com nossas famílias o Dia do Senhor. Escolha em sua casa um local adequado para celebrar e rezar juntos. Prepare sua Bíblia com o texto a ser proclamado, um crucifixo, uma imagem ou ícone de Nossa Senhora, uma vela a ser acesa no momento da celebração. Escolha quem irá fazer o “Dirigente (D)” da celebração: pode ser o pai ou mãe e quem fará as leituras (L). Na letra (T) todos rezam ou cantam juntos. SUGESTÃO: Deixar preparado 06 velas apagadas. Elas serão acesas no momento das preces.

CELEBRAÇÃO O SENHOR NOS REÚNE T.: A mim, ó Deus, fazei justiça, Sl 42,1-2 defendei a minha causa contra a gente sem piedade; do homem perverso e traidor, libertai-me, porque sois, ó Deus, o meu socorro. L.: Nossa igreja doméstica se reúne para celebrar a presença do Senhor. Ele está no meio de nós, reunidos em seu Nome. Impedidos de participar da Eucaristia em nossa paróquia, não estamos impedidos de viver a Eucaristia em nossa casa. São dias difíceis, mas a Palavra de Jesus nos conforta, nos fortalece; alimenta nossa esperança. Quando lemos a Escritura, acreditamos, é o Senhor que nos fala. L.: Assim como as irmãs de Betânia sentiram o conforto da presença de Jesus em um momento de dor, nós passamos por estes dias tão obscuros e sentimos a força da sua Palavra de Vida. Ele nos chama a vencer o medo e acreditarmos no poder da vida. Vamos rezar este 5º domingo da quaresma, cantemos juntos: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação. Ao Pai voltemos, juntos andemos, eis o tempo de conversão! – Os caminhos do Senhor são verdade, são amor, dirigi os passos meus, em vós espero, oh Senhor! – Ele guia ao bom caminho quem errou e quer voltar. Ele é bom, fiel e justo; Ele busca e vem salvar. D.: Como nos ensina São João Paulo II: “Jesus é o Filho que, desde toda a eternidade, recebe a vida do Pai (cf. Jo 5, 26) e veio estar com os homens, para torná-los participantes deste dom: ‘Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância’ (Jo 10, 10)”, celebremos este mistério de amor: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. T.: Amém. D.: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco! T.: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo! D.: A experiência do pecado é sempre uma experiência de privação da vida. É um verdadeiro obstáculo ao amor verdadeiro, gratuito e generoso. Porque somos pecadores, peçamos perdão:

L.: O egoísmo gera morte. Faz pensar em nós sem olharmos para o lado, sem nos colocarmos no lugar do irmão. Porque fomos egoístas, te pedimos: T.: Senhor, tende compaixão de nós, restaura-nos a Vida. L.: Nossas palavras geram morte. Muitas vezes ferimos por falarmos sem pensar, por falarmos sem o cuidado de não ferir. Porque nossas palavras matam, te pedimos: T.: Cristo, tende compaixão de nós, restaura-nos a Vida. L.: A indiferença mata. Nem sempre somos capazes de nos sensibilizarmos com a dor do irmão que sofre. Julgamos que a nossa dor é maior que a dor do outro. Por que fomos indiferentes, insensíveis, te pedimos: T.: Senhor, tende compaixão de nós, restaura-nos a Vida. D.: Deus que nos ama com amor de Mãe e ternura de um Pai Bondoso, tenha piedade de nós, perdoe nossos pecados, e nos conduza à vida eterna. T.: Amém. D.: Rezemos juntos: T.: Ó Deus, removei a pedra que nos impede de sentir vosso Amor e de amar os irmãos. Dai-nos a graça de compreender a ressurreição de Jesus como vitória da vida e como sinal de que a morte não tem a última palavra sobre o destino daqueles que creem. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. A VOSSA PALAVRA É A LUZ DOS NOSSOS PASSOS PRIMEIRA LEITURA (Ez 37,12-14) Porei em vós o meu espírito para que vivais. L.: Leitura da Profecia de Ezequiel. Assim fala o Senhor Deus: Ó meu povo, vou abrir as vossas sepulturas e conduzir-vos para a terra de Israel; e quando eu abrir as vossas sepulturas e vos fizer sair delas, sabereis que eu sou o Senhor. Porei em vós o meu espírito, para que vivais e vos colocarei em vossa terra. Então sabereis que eu, o Senhor, digo e faço – oráculo do Senhor’. Palavra do Senhor. T.: Graças a Deus! Salmo (Sl 129,1-2.3-4ab.5-6.7-8) T.: No Senhor, toda graça e redenção! L.: Das profundezas eu clamo a vós, Senhor, escutai a minha voz! Vossos ouvidos estejam bem atentos ao clamor da minha prece! L.: Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir? Mas em vós se encontra o perdão,

eu vos temo e em vós espero. L.: No Senhor ponho a minha esperança, espero em sua palavra. A minh’alma espera no Senhor mais que o vigia pela aurora. L.: Espere Israel pelo Senhor, mais que o vigia pela aurora. Pois no Senhor se encontra toda graça e copiosa redenção. Ele vem libertar a Israel de toda a sua culpa. EVANGELHO: T.: Honra e glória a Ti, Senhor Jesus. Eu sou a ressurreição, eu sou a vida. Quem crê em mim não morrerá eternamente. L.: Do Evangelho segundo João (Jo 11,1-7.16-45) L.: Naquele tempo, as irmãs de Lázaro mandaram dizer a Jesus: “Senhor, aquele que amas está doente”. Ouvindo isto, Jesus disse: “Esta doença não leva à morte; ela serve para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela”. Jesus era muito amigo de Marta, de sua irmã Maria e de Lázaro. Quando ouviu que este estava doente, Jesus ficou ainda dois dias no lugar onde se encontrava. Então, disse aos discípulos: “Vamos de novo à Judéia”. Quando Jesus chegou, encontrou Lázaro sepultado havia quatro dias. Quando Marta soube que Jesus tinha chegado, foi ao encontro dele. Maria ficou sentada em casa. Então Marta disse a Jesus: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. Mas mesmo assim, eu sei que o que pedires a Deus, ele to concederá”. Respondeu-lhe Jesus: “Teu irmão ressuscitará”. Disse Marta: “Eu sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia”. Então Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais. Crês isto?” Respondeu ela: “Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo”. Jesus ficou profundamente comovido e perguntou: “Onde o colocastes?” Responderam: “Vem ver, Senhor”. E Jesus chorou. Então os judeus disseram: “Vede como ele o amava!” Alguns deles, porém, diziam: “Este, que abriu os olhos ao cego, não podia também ter feito com que Lázaro não morresse?” De novo, Jesus ficou interiormente comovido. Chegou ao túmulo. Era uma caverna, fechada com uma pedra. Disse Jesus: “Tirai a pedra!” Marta, a irmã do morto, interveio: “Senhor, já cheira mal. Está morto há quatro dias”. Jesus lhe respondeu: “Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?” Tiraram então a pedra. Jesus levantou os olhos para o alto e disse: “Pai, eu te dou graças porque me ouviste. Eu sei que sempre me escutas. Mas digo isto por causa do povo que me rodeia, para que creia que tu me enviaste”. Tendo dito isso, exclamou com voz forte: “Lázaro, vem para fora!” O morto saiu, atado de mãos e pés com os lençóis mortuários e o rosto coberto com um pano. Então Jesus lhes disse: “Desatai-o e, deixai-o caminhar!” Então, muitos dos judeus que

tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. Palavra da Salvação. T.: Glória a Vós Senhor! D.: Num momento de silêncio vamos pensar no que mais toca nosso coração nestes textos que ouvimos: (Pequeno momento de silêncio, meditação ou partilha da Palavra) D.: Quem crê nunca está sozinho. Rezemos juntos: T.: Creio em Deus Pai… A DEUS SE ELEVA A NOSSA PRECE D.: Na oração do ângelus de 06 de abril de 2014, o Papa Francisco nos lembra que o gesto de Jesus que ressuscita Lázaro mostra até onde pode chegar a força da Graça de Deus e, portanto, até onde pode chegar a nossa conversão, a nossa mudança. Não há limite algum à misericórdia divina oferecida a todos! Insistia o Santo Padre: «Não há limite algum à misericórdia divina oferecida a todos». O Senhor está sempre pronto a levantar a pedra do sepulcro dos nossos pecados, que nos separa d’Ele, a luz dos vivos. (a cada prece pode-se acender uma vela) L.: “Diante do túmulo lacrado do amigo Lázaro, Jesus ‘exclamou em voz forte: Lázaro, vem para fora’”. T.: Senhor que a Tua Igreja, pastores e rebanho, sejamos anunciadores de Vida, sobretudo, neste momento de provação. L.: “Cristo não se conforma com os túmulos que construímos para nós com as nossas escolhas do mal e da morte, com os nossos erros, com os nossos pecados”. T.: Senhor, iluminai nossos governantes para que tomem as decisões certas para defender e promover a vida. L.: “A nossa ressurreição começa aqui: quando decidimos obedecer a esta ordem de Jesus saindo para a luz, para a vida; quando da nossa face caem as máscaras. Quando caem nossas ilusões.” T.: Senhor, que os pesquisadores encontrem os remédios para a cura do vosso Povo. L.: “Vós não viveis segundo a carne, mas segundo o Espírito, se realmente o Espírito de Deus mora em vós”. T.: Senhor, que os médicos, enfermeiros e todos os profissionais que neste tempo se desdobram para o cuidado de nossa sociedade, sejam sustentados por Vós. L.: “Porei em vós o meu espírito, para que vivais.”

T.: Senhor, que os enfermos e seus familiares confiem na força da vossa Palavra. L.: “Jesus nos faz um belo convite à verdadeira liberdade. Um convite a deixarnos livrar das ‘ataduras’, das ataduras do orgulho. Porque o orgulho nos faz escravos, escravos de nós mesmos, escravos de tantos ídolos, de tantas coisas”. T.: Senhor, que este tempo nos ensine a compreender os verdadeiros valores de nossa vida. Dai-nos discernimento. Preces espontâneas… D.: Unidos no Espírito Santo e na comunhão da Igreja, fiéis à recomendação do Salvador, vamos rezar: T.: Pai nosso… D.: Vamos rezar juntos esta prece, reafirmando nossa confiança e suplicando a misericórdia de Deus: ORAÇÃO NO TEMPO DE FRAGILIDADE T.: Deus todo-poderoso e eterno, sustento na fadiga, apoio na fraqueza: de Vós todas as criaturas recebem energia, existência e vida. L. 1: Viemos a Vós para invocar sua misericórdia pois conhecemos a fragilidade da condição humana vivendo a experiência de uma nova epidemia viral. L. 2: Confiamos a Vós os enfermos e suas famílias: trazei cura para o corpo, mente e espírito. L. 1: Ajudai todos os membros da sociedade a fazerem seu trabalho e a fortalecer o espírito de solidariedade entre eles. L. 2: Sustentai e confortai os médicos e profissionais de saúde nas linhas de frente e todos os prestadores de cuidados, na execução de seus serviços. L. 1: Vós que sois a fonte de todo bem, abençoai abundantemente a família humana, afastai de nós todo o mal e concedei uma fé firme a todos os cristãos. L. 2: Libertai-nos da epidemia que está nos atingindo, para que possamos voltar com serenidade às nossas habituais ocupações e assim louvar-vos e agradecervos com um renovado coração. T.: Em vós confiamos e apresentamos nossa súplica porque sois Pai, o autor da vida, e com teu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo, viveis e reinais nos séculos dos séculos. Amém. Maria, saúde dos enfermos, rogai por nós! (Esta oração tem sido rezada na Itália inteira. Estejamos unidos em uma única prece). INVOQUEMOS A BÊNÇÃO DO NOSSO DEUS D.: Que Deus nos abençoe e nos guarde. T.: Amém. D.: Que Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. T.: Amém.

D.: Que volte para nós o seu olhar e nos dê a paz. T.: Amém. D.: Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. T.: Amém. Pode concluir-se com a antífona mariana “À vossa proteção” T. À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém. (Cada família poderá adaptar o esquema conforme as necessidades. Os cantos são sugestões podendo ser trocados por outros, respeitando sempre o espírito quaresmal que estamos vivendo). Sugestão de Cantos: 1) Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás, contigo pelo caminho, Santa Maria vai. Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem. Ó vem conosco, vem caminhar, Santa Maria vem. Se pelo mundo os homens, sem conhecer-se vão não negues nunca a tua mão a quem te encontrar. 2) Eu vim para que todos tenham vida; que todos tenham vida plenamente. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor; reconstrói a tua vida em comunhão com teu irmão: onde está o teu irmão, eu estou presente nele. “Eu passei fazendo o bem, eu curei todos os males”; hoje és minha presença junto a todo sofredor: onde sofre o teu irmão, eu estou sofrendo nele. “Entreguei a minha vida pela salvação de todos”; reconstrói, protege a vida de indefesos e inocentes: onde morre o teu irmão, eu estou morrendo nele. “Vim buscar e vim salvar o que estava já perdido”; busca, salva e reconduze a quem perdeu toda a esperança: onde salvas teu irmão, tu me estás salvando nele.

*** Fonte: CNBB ***




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *